quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

COMO DESIGNERS DEVEM LIDAR COM CLIENTES CHATOS?



O cliente nos enriquece tanto quanto nos adoece… Como não enfartar com eles?
Quem responde é Carl Heaton, um famoso webdesigner há já 18 anos e criador de diversos trabalhos de UX Design de alto nível.
Nesses 18 anos, ele obviamente vivenciou muitas desgraças com os clientes – e decidiu dividir isso com o mundo! Então aproveite essa assessoria gratuita aí ; )

Seja direto!

Neste primeiro contato, que para muitos é preferível que seja por e-mail, aproxime-se da seguinte maneira:
“Prezado Sr. Cliente Chato,
Obrigado pelo seu interesse em nosso trabalho. Poderia nos dizer como nos achou?”
Com esse email você já terá uma noção do quanto o cliente pode pagar, por exemplo!
Portanto, pegue o maior número de informações que você puder nos primeiros contatos – mas cuidado para não ser apressado e curioso, pois você pode acabar espantando o cliente.
Nesse primeiro teste, você saberá se esse é um cliente com o qual você deve trabalhar; percebendo se ele realmente irá valorizar o seu trabalho e fazer uma negociação justa e honesta.
Importante: lembre-se que emails são considerados documentos jurídicos. O que alí for combinado, pode ser levado a juízo por ambas as partes se necessário.

Eu não posso perder esse projeto!

Frequentemente esses clientes acabam caindo fora, mas acabam retornando!
E muitas vezes retornam bem mais humildes e – e se Odin quiser -, já cientes que estão falando com um profissional sério e finalmente irá respeitá-lo.
“Tenho a impressão que eles pensam que nós ficamos à toa no computador ouvindo música e tudo é feito num passe de mágica!”

O formulário

Mande o e-mail exigindo com clareza os seguintes aspectos:
  • Briefing, como você bem conhece
    Prazo
    Orçamento
Se o cliente se recusar a preencher o formulário, talvez seja a hora de partir!
Por quê? Oras, ele não está levando nem o seu trabalho e nem o seu profissionalismo a sério. Talvez ele realmente pense que você é um mago e não um designer!
Pense: se ele estivesse lidando com um médico, ele ocultaria algo? Deixaria de informar sintomas? Por que você também não é digno de atenção como outros profissionais?
Mas sempre seja cortês: recomende a ele algum outro profissional que possa ajudar (ou arranje uma ótima desculpa)!
Mais do que profissionalismo, também é uma atitude inteligente que pode fazer esse cliente chato refletir no porquê ele foi recusado e, quem sabe, voltarem atrás.

Caso passe da fase do formulário…

Você deve encontrar o cliente, num bom ambiente, e você deve OUVIR o cliente – esse é a principal dica.
O designer NÃO deve jamais tentar empurrar um projeto no cliente!
Muitos designer pensam que o cliente não sabe nada do que quer… Mas quem sabe do negócio dele mais que ele? Você e o seu nankin?
Seja humilde e aprenda com o seu cliente, de forma que você possa adaptar suas habilidades e talentos as necessidades do cliente chato.
Após esse encontro, você terá uma ideia clara do projeto, como o nível de qualidade esperada – no caso de webdesign, você já pode sair com um sitemap, diz Heaton.

O grande teste!

É a hora de pegar o pagamento inicial; é nessa hora que você terá certeza se realmente vale a pena manter este cliente (ou se é uma grande furada).
“Pense: se ele não pode fazer um depósito inicial, por que ele pagaria o resto do projeto como deveria?”
Não aceite promessas, “propagandas” ou qualquer coisa do tipo; o teu contrato já deve conter uma cláusula de pagamento inicial (e dos outros, o qual você irá usar para lembrar o cliente em caso de problemas).
Ele pagou para começar? Então talvez ele não seja um cliente chato assim!

O projeto decola!

Comece seu projeto com muita dedicação, até que você possa enviar uma boa proposta inicial ao seu cliente; assim que ele aprovar esse trabalho, peça uma confirmação clara (no e-mail, para servir de prova) de que o projeto deve continuar!
Para uma boa comunicação, Carl recomenda não só e-mail, mas uma confirmação cara-a-cara ou por Skype!
E lembre-se: tudo o que for proposto deve ser mutualmente benéfico!
Não aceite propostas que não te agradam e que fatalmente irão minar sua dedicação ao projeto de alguma maneira!

Mudanças, mudanças é mais mudanças!

Sempre há o risco do cliente nunca estar satisfeito, o que tomará o tempo que você poderia estar usando para ganhar dinheiro e jogar Pokémon Go!
Lembre-se que você é uma empresa (mesmo que seja de uma pessoa só)!
O seu contrato deve esclarecer a quantidade de mudanças permitidas (como 3, por exemplo); caso mudanças adicionais sejam feitas, o contrato deve estipular um valor a ser cobrado – muitas vezes em horas!
Isso não só irá desestimular a insatisfação do cliente, como vai te liberar para um próximo job ou quem sabe até ganhar um dinheiro extra com esse mala :P

Chegamos ao fim!

É importante que o cliente nunca receba o resultado final do projeto sem antes pagar por ele, garantindo que dores de cabeça não ocorrerão!
Muitos não consideram isso realmente importante, mas se você não exigir isso em seu contrato, certamente você levará algumas “pernadas” até aprender que deve cobrar pelo arquivo final!

E você, o que já teve aturar de cliente chato? Compartilhe, pois sua opinião pode ajudar muita gente!


Fonte: http://www.temporalcerebral.com.br/
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário